terça-feira, junho 09, 2009

O fim do mundo (parte 2009)


Acho que depois do ano dois mil, a maioria das pessoas já se convenceu de que o mundo não vai acabar. Pelo menos, não instantaneamente. É claro que os filmes norte-americanos ainda nos amedrontam com meteoros que podem atingir a Terra causando uma destruição em massa. Mas eles também adestram a confiar na NASA e na soberania estadunidense acima de qualquer fator natural. E artificial.

A minoria, que existe e não podemos negar, insiste que a versão high tech do dilúvio ainda está por vir. E com todo o pavor causado pela gripe suína, imaginei aqui comigo: seria possível o extermínio da vida humana com uma pandemia causada pelo vírus? Matematicamente, deve haver probabilidade para isso, porém, todos os países, em menor ou maior escala, estão defendendo como podem as suas fronteiras e enclausurando – para monitoramento – ao soar do primeiro espirro. É claro que exagero na dose, para dar movimento ao artigo.

A tal da gripe suína – que agora se chama Gripe A H1N1 – ganhou o nome popular porque o vírus dela é semelhante a um que atinge os porcos, embora nada justifique o sacrifício dos animaizinhos. Com a difusão exagerada (?) das notícias sobre o novo pesticida humano, não tive como deixar de comparar homens a porcos (sem querer ofender os porcos). Quem leu o excelente livro A revolução dos bichos, de George Orwell, certamente lembra como, através da mesquinhez da raça, o homem passou a se igualar ao animal quadrúpede e, durante um banquete ao fim da narrativa, os dois se confundiam, em gestos e atitudes.

Certamente Orwell não queria dar uma de Nostradamus, adivinhando o futuro, apenas pensou além e viu como as relações humanas, guiadas pelo puro interesse, tendiam para a situação em que entre homens e porcos todos são porcos. É justamente o que, por metáfora, está acontecendo agora. Minha torcida é para que, dessa vez, o homem perceba que já está enlameado demais e deve retomar suas características de homem. E que seja adiado, mais uma vez, o fim do mundo.

(Original publicado em 02.05.009)

Nenhum comentário: