quinta-feira, julho 02, 2009

Tirando o pai da forca


Quando soube que Lula estava voltando às pressas de uma viagem internacional para resolver os imbróglios ligados à renúncia do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), tive que lembrar a minha avó. A maioria das avós é muito sábia, aliás, e está sempre encontrando um ou outro dito popular que auxilie a resolução de uma situação tensa.

A minha, por exemplo, costuma dizer diante dos apressados, e frequentes, passos dos netos: “Que pressa é essa, menino? Vai tirar o pai da forca?” – como se entendesse que estão a um palmo da precipitação. Geralmente, a prudência contida nessas palavras os faria bem, caso eles tivessem a disposição de parar e ouvir um pouco.

Pelo que se vê, o presidente da República não tem tempo de parar e ouvir o apelo social que já se formou em torno do escandaloso cenário no Senado. A agenda cheia das manifestações “Xô Sarney” não parece ter chegado aos ouvidos de Lula que, até agora, só tem confabulado em torno de interesses próprios – embora monte, a todo instante, na expressão “jogo democrático”. Talvez, democracia, para Luiz Inácio, seja não largar o leme do poder, muito menos nas mãos de partidos oposicionistas. A moda de se lixar para a opinião pública realmente pegou, e enquanto uns correm para salvar o pescoço de outros, o povo permanece como único prejudicado.

O presidente teve pai e mãe e deve ter tido também uma avó sábia, privilégio de quase todos os brasileiros, para lhe ensinar que a pressa, tantas vezes, é inimiga da perfeição. Mas Lula, que já esperou muito na vida, acostumou-se rapidamente a não esperar – estranho as pessoas ainda se surpreenderem com o fato dele não ter esperado 2010 para o início, feroz, de sua campanha eleitoral. E a renúncia de Sarney?a população brasileira?a imprensa?a Justiça (...)? Essas sim, podem aguardar um pouco mais.

Imagem: Google Imagens.


3 comentários:

julio onofre disse...

Rapaz vou nem comentar o post, porque essa esculhambação do Senado já avacalhou de vez. Vai ser o jeito chamar o companheiro Osama.
Agora o áudio post já me conquistou, massa demais. e a voz em? radialista é futuro, tô até vendo.
Abraços.

Clauderlan Vilela disse...

Com a mania de dar novos significados aos termos, existente por aí, como acontece com a palavra ética, por exemplo, hoje em dia eu não sei mais o que significa democracia...
...
Passados vários dias... Obrigado por colocar Reflexões de um olhar na sua lista. Fico muito agradecido.
...
E como disse o Júlio Onofre, anteriormente, com outras palavras, sua voz deu um charme a mais ao blog... Parabéns pela ideia!
...
Até mais!

Rafael Belo disse...

"O que não for de interesse imediato fica pro próximo 'mandato'". Sarney é raposa caquética da manutenção democrática permanente brasileira... "Xô"
bjs Is