segunda-feira, julho 06, 2009

Twittas tu?

- Isolda, você tem Twitter?
- Não.
- É que eu queria saber o que é Twitter.
- Em palavras breves, é um microblog com limite de 140 caracteres por mensagem que, provavelmente, aumentará muito a sua rede social na internet a medida que você responde “ o que está fazendo agora”.
- Só isso?
- Grosso modo, só.
- Brigada. É que eu fiz um agora, mas não sabia o que era.
- Ah, tá... de nada!



Parece brincadeira, mas o diálogo existiu. Aliás, nos últimos dois meses, a pergunta que mais ouço na esfera virtual é essa mesmo: se eu ‘tenho’ ou ‘não tenho’ Twitter. E como a ferramenta está na crista da onda, quis conhecer e saber se valeria à pena aventurar – sou dada a aventuras. O microblog deve ser interessante para pesquisa de comportamento humano e é poderoso em se tratando de instantaneidade e alcance. Fora isso, é vazio como uma conta no Orkut (calma, eu explico).

Antes de redigir este post, visitei 15 páginas do Twitter e não vi utilidade em nenhuma delas. Três exemplos, dos melhores: a) preciso comentar que o verdureiro/peão da Globo é mara!!!; b) já baixei o Pokémon, mas não consigo me cadastrar nessa bosta; c) dia de trabalho... cansei.. fiz um bom trabalho. Vou me arrumar para comer japonês. Hoje é o aniversário da Ju. As outras 12 mensagens juntas formam um pequeno amontoado de baboseira, não cabe citar aqui. Por outro lado, casos notórios como a difusão de acontecimentos no Irã após as eleições, a morte de Michael Jackson, os conflitos na China etc. têm chegado ao conhecimento do público – por mais rasa a profundidade da 'notícia' – no tempo de um enter através da mesma ferramenta. E eu só posso chamar isso de evolução.

As contas utilizadas pelos veículos de comunicação (rádio, TV, site) também são geniais enquanto estratégia para atrair a juventude, evidentemente. Algumas páginas de artistas, da mesma forma, dão uma aula de divulgação que só pode ser benéfica em suas carreiras. Mas o Twitter pessoa-física, no Brasil pelo menos, não tem se mostrado mais do que uma espécie de exibicionismo gratuito mirado pelos olhares de vários voyeurs em potencial. Um jogo, enfim, excitante para quem gosta.

É claro que não se pode culpar uma tecnologia qualquer pelo mau uso que fazem dela. São os usuários que deixam o Twitter útil se transformar no Twitter fútil – se é que ele já não nasceu com esta finalidade. Deve estar fora de moda não saber o que as pessoas estão fazendo agora – se vão dormir com seus namorados ou esqueceram o carregador na casa da Paloma – mas há quem prefira assim. No meio disso tudo eu vou blogando, um velho hábito que, dizem, ruma para o fim.

Imagem: Print Screen do Twitter do Pastor Silas.


Isolda diz: Pessoal, que fique bem claro aqui: não sou contra o Twitter - sou a favor, por sinal. Mas acredito que a página é uma ferramenta de distração - para quem tem tempo de sobra - e não essa coisa extremamente séria (capaz de mudar o mundo) que certos usuários afirmam ser. Quando posso, até me divirto com os achados de alguns twitteiros criativos. Indico o Vida de Merda. Divirtam-se!

5 comentários:

Rafael Belo disse...

Me fizeram a mesma pergutna diversas vezes, só respondi um não e me deixei levar pela demostração de "quem a pessoa acompanha". Tb não sou contra, mas Estou contigo Is. Não acredito no fim do blog... É sempre a mesma ladainha surge uma forma diferente de comunicação a outra será extinta...
aaa obrigado pela poesia, espero ter "retribuído a altura"
http://olharesdoavesso.blogspot.com/2009/07/sem-tragedia-so-bagagem.html bjs

Clauderlan Vilela disse...

Twittar ou não twittar? Eis a questão do momento...

Como você disse, é uma ferramenta "excitante para quem gosta". Assim como acontece com o orkut e com o blog também.

O único problema nessa coisa toda, mesmo com algumas pessoas utilizando o tempo de sobra para satisfazer uma necessidade de se exibir ou de voyeurismo, é se distanciar da realidade (o que pode causar alguns problemas reais) e discriminar aqueles que não curtem.

Em outras palavras, as ferramentas são criadas para serem aproveitadas.

Mas, sem querer discriminar alguém e aproveitando outro assunto do momento, algumas pessoas se realizam como cozinheiros, equanto outras gostam mesmo é de atuar como jornalistas.

Arte e Medicina disse...

Rapaz eu tb não sei o que é esse negócio de twiter. Soube só que o símbolo é um coelho, jumento, tatu, sei lá....
enfim, ainda prefiro os blogs. Um pensamento em 140 caracteres, nme se eu fosse chuck noris...enfim
Mas.a atualidade tá ai.
abraços
cadê o áudio post


bjos

Estêvão dos Anjos disse...

engraçado, me fizeram essa pergunta e eu refiz a algumas pessoas e foi por curiosidade que fiz um tbm...
concordo que ele não é algo de tão extraódinário é tbm o vejo como distração, aí, como ultimamente não faço nada da vida, fico twitando :p

Anderson Santos disse...

Também não tenho Twitter, me irrita essa ideia de escrever pouco, ainda mais por vontade própria num espaço que nos 0vangloriamos por (ainda) poder escrever o que queremos quando queremos.