quarta-feira, dezembro 30, 2009

Quem não quer ser um milionário?

Hoje eu fui à casa lotérica pagar qualquer coisa que já esqueci o quê, pois tudo lá ou estava ou ficou ofuscado pela menção de uma expressão apenas: MEGA-SENA DA VIRADA. As pessoas pareciam pronunciar assim mesmo: boca cheia, tudo em caixa alta e em tom alto, puro entusiasmo. Todas as filas estavam enormes, mas ninguém reclamava, pelo contrário. Alguns riam e faziam planos para o caso de ganharem o vultoso prêmio que pelos cálculos atuais já vai em R$ 120 milhões.

No planejamento, todo mundo parece bem solidário e nessa linha escutei de um tudo: os candidatos a ganhadores ajudarão parentes e aderentes, instituições de caridade, animais abandonados, os pobres do país. Uma beleza! Mas um dos sonhos mais recorrentes que ouvi ali foi a vontade de não trabalhar mais. E olha que isso em nada se refere ao desejo de qualquer empregado – livrar-se do patrão! – nem à aspiração de se tornar patrão um dia para ter em quem “mandar”. As pessoas desejam é cruzar os braços e viver de renda. Uma delas mencionou que, aplicado na poupança, o prêmio rende R$ 500 mil ao mês. Não recorri a calculadora para conferir, só ouvi.

Tinha gente de todas as idades naquela fila, que não diminuía nunca, tantos mais iam chegando: à minha frente um senhor em seus 60 anos, 65 talvez, com duas cartelas à mão; atrás uma menina, cujo pai telefonou para ditar os números da sorte. Na fileira do caixa ao lado um rapaz de 20 e poucos era o mais sonhador de todos e dizia que ia contratar Aviões do Forró para fazer um showzinho privé em sua nova casa. Casa? Não. Ele deve ter dito mansão ou castelo, eu é que não prestei muita atenção, mas uma platéia admirada ouvia os detalhes, certamente almejando algum convite. Também testemunhei temores de sequestro e crimes da Mega-Sena e quase todos os que opinavam diziam da necessidade de mudar de cidade e até de país para não ficarem visados.

Acredito que qualquer um tem o direito de sonhar. Sonhos, enfim, são gratuitos e democráticos como a morte. Também fiz minha fezinha pelos meus inusitados, lúcidos ou absurdos desejos, pagando a bagatela de R$ 2 por uma chance imensa de perder e mínima de ganhar, afinal, explicitamente, trata-se de um jogo de azar.

“Lugar de pobre é no chão, o céu é dos passarinhos” (Carlinhos Vergueiro)

Imagem: Google Imagens.

4 comentários:

Sérgio Coutinho disse...

Vi na semana passada um pai ensinando à filha o método pseudocientífico como ele chegou às dezenas. É um ritual brasileiro que merece estudos.

E você, que planos fez?

Feliz Ano Novo!

Clauderlan Vilela disse...

Meu pai também está incluído nestes incontáveis sonhadores.

Nunca se sabe...

Fabiana disse...

Eita qwue nem me fale, por causa dessa mega sena da virada as lotéricas estão doidas e lotadas.

Realmente sonhar nunca é demais, mas gtanhar esse prêmio é de muita responsabilidade, sei não!

E ah, se ganhar, lembra da amiguinha aqui tá? kkk

Bjocas Isolda e tenha um feliz 2010!

Márcia disse...

BOA SORTE! OUSAR É PRECISO!