quinta-feira, setembro 15, 2011

A greve dos Correios e o umbigo do mundo


Tenho lido sobre a greve dos Correios que começou ontem e já causa os transtornos sabidos. Ela me incomoda, é claro. Preciso ou posso precisar do serviço mais ou menos dia. Mas, além do que a notícia em si me trouxe de informação, os comentários dos cidadãos em relação a esses outros cidadãos, funcionários da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), chamam minha atenção. Expressões como “vagabundos” são até polidas. Tem gente reclamando dos grevistas porque encomendou um tênis novo que vai chegar fora do prazo. Ou uma lente de contato. Ou um vestido que “em Maceió não tem” etc. Tem gente declarando que greve é coisa de quem não tem o que fazer. Tem gente dizendo para os funcionários dos Correios que, se estão insatisfeitos com os próprios empregos, peçam demissão. Uma espécie de “ei, não lute pelo seu direito!”. Talvez alguém aí pudesse ler mais sobre história geral, história do Brasil, Constituição Federal, que seja! Pelo menos para argumentar com solidez. Se eu considero o serviço dos Correios perfeito? Não. Já fiquei na mão por causa dele e pelos vícios do funcionalismo público – lembrando que existem os servidores não-viciados. Nem por isso vou desejar o mal da categoria inteira nem desrespeitá-la. E mais: duvido que sem essa paralisação, ela fosse, ao menos, ouvida. Coisas difíceis de entender quando se está muito nervoso esperando uma encomenda – que não chega! – chegar.

Imagem: Google Imagens.

Um comentário:

Anônimo disse...

Olá, isolda,
A sua é a minha indignação, precisamos dizer não urgentemente a tudo isso.